População já vê resultados do novo plano municipal de segurança pública

Compartilhe

Pesquisar

Outros Municípios

TVC 01

Classicasa

classicasas

Guias e Informações

guia info

Lula nega ser dono do triplex e garante que ainda está “no jogo” para 2018

lula triplex condenado

TVC\G1

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez seu primeiro pronunciamento público nesta quinta-feira (13), um dia após a sentença do juiz Sergio Moro que o condenou a 9 anos e meio de prisão por corrupção. Ele negou os crimes pelos quais foi condenado e afirmou que ainda está “no jogo”. “Se alguém tiver uma prova contra mim, por favor, diga. Mande para a Justiça, mande para a suprema corte, mande para a imprensa. Eu ficaria mais feliz se fosse condenado por conta de uma prova”, afirmou. “Nós vamos recorrer em todas as instâncias de todas as arbitrariedades. (…) É preciso fazer processo contra quem mentir, contra quem não disser a verdade nesse país.”

“A Justiça não pode mentir. Não pode tomar decisões politicas. Ela tem que tomar decisões baseadas nos autos. (…) A única prova é a da minha inocência”, afirmou. “Eu prestei vários depoimentos, e era visível que o que menos importava era o que você falava, eles já estavam com o processo pronto.”

É CANDIDATO“Não sou dono de triplex. Não tenho triplex”, repetiu o ex-presidente, que também falou sobre as expectativas para as eleições de 2018. “Se alguém pensa que com essa sentença me tiraram do jogo, pode saber que eu estou no jogo”, disse o ex-presidente. “Quero dizer ao meu partido que até agora eu não tinha reivindicado, mas agora vou reivindicar como postulante a candidato a presidente da república.”O ex-presidente começou a falar às 12h02 e discursou durante meia hora. Estavam no local da coletiva o ex-presidente do PT Rui Falcão, os ex-ministros Jacques Wagner e Miguel Rosseto, os deputados Carlos Zarattini, Jandira Feghalli e José Guimarães, os advogados de Lula, Roberto Teixeira, Cristiano Zanin e Valesca Teixeira, bem como a atual presidente do partido, Gleisi Hoffmann.

“Nós estamos analisando ainda a sentença, mas já é possível constatar diversas omissões, contradições, que em tese permitem até um recurso dirigido ao juiz Sérgio Moro. mas essa definição nós ainda vamos ter ao longo do dia, nos próximos dias, depois de uma análise mais exauriente da sentença”, disse Zanin.

RECURSO – “Já verificamos omissões a diversos argumentos que foram apresentados pela defesa sobre provas de inocência do presidente Lula. Identificamos incompatibilidade entre acusação e a sentença. A acusação fala em transferência efetiva da propriedade do triplex, enquanto a sentença afirma que houve ‘atribuição de propriedade’. Então são diversas incompatibilidades com a própria denúncia, com a própria acusação”, afirmou.Gleisi Hoffmann também discursou antes do pronunciamento de Lula, falando que o ex-presidente foi condenado por “convicções”.

“O Partido dos Trabalhadores, os partidos que estão aqui prestando solidariedade e os movimentos sociais não vão baixar a cabela. Nós vamos enfrentar esse momento. Denunciar essa senteça política do juiz Sérgio Moro, que, como já disse e como muita gente disse, carece de base legal por não ter prova. Estão condenando o presidente por convicções”, disse.

CONDENAÇÃO – O ex-presidente foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão na Operação Lava Jato pela ocultação da propriedade de uma cobertura triplex em Guarujá, no litoral paulista, que teria sido recebida como propina da empreiteira OAS, em troca de favores na Petrobras.É a primeira vez na história que um ocupante da Presidência é condenado por um crime comum no Brasil. A sentença foi publicada nesta quarta-feira (12) e permite que o petista recorra em liberdade.

Na sentença, de 218 páginas, o juiz Moro resume as acusações que pesam contra Lula, relata os argumentos da defesa e analisa as provas documentais (como documentos, fotos, imagens e-mails e mensagens telefônicas), periciais (como documentos periciados e testemunhais) e depoimentos.